http://facebook.com/coioteflores ::
http://coioteflores.wordpress.com ::
http://twitter.com/coiote4fun ::

Tenho o coração do tamanho do mundo
mas tenho o mundo na palma da mão.

 

esquerdistaspegandogatinhas:

pegar é fácil, meu jovem. quero ver conseguir beijar essa gata aí. o que foi que aconteceu que ela tá te evitando? não pagou toda a conta do bar né?

esquerdistaspegandogatinhas:

pegar é fácil, meu jovem. quero ver conseguir beijar essa gata aí. o que foi que aconteceu que ela tá te evitando? não pagou toda a conta do bar né?

royalblackpirate:

vixyish:

solarbird:

xgenepositive:

mmmahogany:

#john barrowman is having none of your misogynist bullshit

i love that barrowman’s response also distances him from the contestant
"hahahaha women do laundry right john?  you with me, john?"
"don’t lump me in with you, you fucking martian”

This is what I’m talking about when I keep saying that men have to deny the endorsement. This guy wanted Barrowman’s tacit support or agreement for his sexism, as part of bonding through humour. John went nope.

Bolding mine.

Ah, how to be an ally in a clever gifset.

(Source: kaniehtiio)

A VIDA EM ANEXO reúne alguns dos primeiros contos escritos após a adolescência do autor e misturam suas experiências com jovens do submundo em uma ficção que varia entre o realismo e o absurdo, onde velórios são o cenário ideal para uso de drogas, experiências extracorpóreas servem como pretexto para o coito e crianças apaixonados descobrem a duras penas sobre bestialismo involuntário.
A arte de capa é de Alexandre de Nadal, arquiteto e ilustrador, atualmente finalizando o curso de Artes Visuais no Instituto de Artes da UFRGS.
Todo processo de compilação, edição e diagramação foi executado pelo próprio autor pra garantir que o livro fosse, desde a criação, um projeto totalmente independente e autônomo.
http://coioteflores.wordpress.com/avidaemanexo/

A VIDA EM ANEXO reúne alguns dos primeiros contos escritos após a adolescência do autor e misturam suas experiências com jovens do submundo em uma ficção que varia entre o realismo e o absurdo, onde velórios são o cenário ideal para uso de drogas, experiências extracorpóreas servem como pretexto para o coito e crianças apaixonados descobrem a duras penas sobre bestialismo involuntário.

A arte de capa é de Alexandre de Nadal, arquiteto e ilustrador, atualmente finalizando o curso de Artes Visuais no Instituto de Artes da UFRGS.

Todo processo de compilação, edição e diagramação foi executado pelo próprio autor pra garantir que o livro fosse, desde a criação, um projeto totalmente independente e autônomo.


http://coioteflores.wordpress.com/avidaemanexo/

on beeing called a nerd

Wil Wheaton:

When I was a boy I was called a nerd all the time—because I didn’t like sports, I loved to read, I liked math and science, I thought school was really cool—and it hurt a lot. Because it’s never ok when a person makes fun of you for something you didn’t choose. You know, we don’t choose to be nerds. We can’t help it that we like these things—and we shouldn’t apologize for liking these things.

I wish that I could tell you that there is really easy way to just not care, but the truth is it hurts. But here’s the thing that you might be able to understand—as a matter of fact I’m confident you will be able to understand this because you asked this question…

When a person makes fun of you, when a person is cruel to you, it has nothing to do with you. It’s not about what you said. It’s not about what you did. It’s not about what you love. It’s about them feeling bad about themselves. They feel sad.

They don’t get positive attention from their parents. They don’t feel as smart as you. They don’t understand the things that you understand. Maybe one of their parents is pushing them to be a cheerleader or a baseball player or an engineer or something they just don’t want to do. So they take that out on you because they can’t go and be mean to the person who’s actually hurting them.

So, when a person is cruel to you like that, I know that this is hard, but honestly the kind and best reaction is to pity them. And don’t let them make you feel bad because you love a thing.

Maybe find out what they love and talk about how they love it. I bet you find out that a person who loves tetherball, loves tetherball in exactly the same way that you love Dr. Who, but you just love different things.

And I will tell you this — it absolutely gets better as you get older.

I know it’s really hard in school when you’re surrounded by the same 400 people a day that pick on you and make you feel bad about yourself. But there’s 50,000 people here this weekend who went through the exact same thing—and we’re all doing really well.

So don’t you ever let a person make you feel bad because you love something they decided is only for nerds. You’re loving a thing that’s for you.

I’m glad we’re still at that point in time 30 years ago today. We’re still together in that detention room; we’re in the corridors; we’re outside jumping fist to the sky.

We, the Breakfast Club. 

I’m glad we’re still at that point in time 30 years ago today. We’re still together in that detention room; we’re in the corridors; we’re outside jumping fist to the sky.

We, the Breakfast Club. 

Por que algumas pessoas acham que o tumblr é um fracasso e que ninguém usou ou ninguém usa mais

Por que algumas pessoas acham que o tumblr é um fracasso e que ninguém usou ou ninguém usa mais:

elas não conseguem entender que exista todo um mundo, toda uma internet, toda essa quantidade (muito maior que aqui) de pessoas em um sistema de blogging e compartilhamento que não é alimentado por egos pra alimentar mais egos. Esse incrível mundo sem “eu”, onde tu apenas expõe algo que te interessa sem se importar com quem vai ver. Onde tudo é passado e repassado e teu nome é esquecido no meio, ficando apenas a mensagem. Onde as pessoas usam o “like” pra favoritar e arquivar o que gostam, não pra puxar teu saco. Onde discussões vão adiante sem troca de recados. Onde tu continua o que outro começou sem saber mais do outro, da mesma forma que alguém continuará sem saber de ti.

E eu admiro muito alguns tumblers. Mas não preciso avisar eles disso. E eles não parecem precisar saber disso. E é isso que faz tudo melhor.